ALBERTO DORIGONI APRESENTA NOVOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO PARA MACIEIRAS

Iniciativa visa reduzir o vigor e facilitar os tratos culturais nos pomares.

Dorigoni diz que o objetivo é render mais com menor custo: “Aplicar a poda mecânica e reduzir a aplicação de químicos, além de ter os frutos mais próximos do eixo central, reduz a queima pelo sol”. Ele orienta que é fundamental aumentar o número de galhos líderes, ter astes na vertical, realizar poda curta, poda pós colheita e poda mecânica.

O painelista afirma que conduzir com eixo duplo ou mais, em poda de verão acontece o encolhimento natural da árvore. Com um eixo central há mais árvores, até 6.000 por hectare – porém o custo é maior. Já com quatro eixos, há menos árvores e cerca de 2.000 por hectare – e neste caso o custo é menor.

Alberto Dorigoni avalia:

– Um eixo: reduz a qualidade de cima para baixo, quando comparado com dois eixos.

– Nos corredores mais estreitos, deve-se realizar mais poda de verão e menos poda de inverno.

– Se o sistema for adequado para poda mecânica, há uma economia de 59% em relação à poda realizada pelo homem.

– Estes sistemas apresentam maior eficácia de raleio, com raleio mecânico, sendo que o raleio químico apresentou raleio excessivo.

– A utilização de redes nas filas (túnel individual), reduz danos por geada, pássaros, insetos, além de controlar o microclima.

Dorigoni acrescenta que “o fechamento propicia bom raleamento e, se realizado após a formação das flores, para evitar a mal formação, causada pela falta de polinização”.